domingo, 1 de junho de 2014

Ações em Rios na Mostra de Artes e Cultura de Diadema

Fecham-se as águas. Águas de março a junho. ÁGUAS.

Corpo em dilúvio. Corpo. Poética de minha existência.
Corpo em água  - água barrenta.

Que águas são essas que navegam aqui?
Que águas navegam em ti?

Rio abaixo - Rio acima - RIO ADENTRO.















quinta-feira, 20 de março de 2014

Estudos para Ações em Rios

Corpo em água - Corpo.
Corpo diluído no tempo - vasto.
Canto das águas.

rio abaixo, rio acima - rio adentro

Que águas são essas que navegam aqui?
Que águas são essas que navegam em ti?

Uma mulher caminha de costas, em mãos uma travessa de argila cor de terra. Há água nela. Águas claras, águas escuras. Água límpida. Apenas água.

Água para matar a sede de um cachorrinho que passa por ela.
Água para lavar os cabelos,
Água para lavar as mãos,
Água para lavar os olhos,
Água para lavar o corpo.

Meu corpo é meu.
Meu corpo é vivo.

Sou água de mar
Sou água de rio
Sou água de chuva
Sou gota derramada na flor
Sou encompridora de rios.


Gota nua
sobre o corpo
negra, pura, nua
transbordo.





fotos: Mariana Vilela e Nene Surreal

domingo, 9 de março de 2014

Época das águas

Hoje naveguei EM RIOS...

Vi águas claras,
     águas escuras,
                             Turvas.

Vi corpo encorpado de si.
Suave como água branda,
                    água doce/calma.

Vi o feminino desabrochar em flor.
Vi Sol encompridora de rios.

Fui pedra de cachoeira,
      pedra de rio,
      pedra de mar.

Sai de alma lavada.




   

terça-feira, 4 de março de 2014

Chamada!!

Estudos para Ações em Rios, acontecerá dia 08/03 às 16h no Centro Cultural Clara Nunes em Diadema.

Ainda em processo gestativo e de estudos, a ação acontecerá dentro do Evento Camaleão Mulher, promovido pela Artista Plástica e Grafiteira Nene Surreal, abrindo discussões sobre a mulher na contemporaneidade e também exposições com várias artistas da cidade.



sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Estudos para Ações em Rios

rio acima - rio abaixo,
rio adentro.

Que águas são essas que navegam aqui?
O corpo é meu. Meu corpo é vivo.
Sou pedra
Sou terra
Sou vento
Sou ÁGUA,
encompridora de Rios.











fotos: Mayara Sales

domingo, 9 de fevereiro de 2014

COLETIVO AMBULANTE 5 ANOS

5 anos na rua.
5 anos estudando a rua.
5 anos incorporando a rua.
5 anos desenhando nossos corpos na rua.

5 anos de muitas descobertas, visíveis e invisíveis.
Transformações.
4 Grávidas (quase 5!)
5 anos de encontros e desencontros conosco e com o outro.

Ambulantes de antes de agora e de amanhã, OBRIGADA!

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

O Coletivo Ambulante participa do
PERFOR4 nas ruas de São Paulo

Para saber mais clique:
http://www.flickr.com/photos/111774083@N02/

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

domingo, 8 de dezembro de 2013

"O coletivo Ambulante cria um espaço de possibilidades, uma fenda no espaço\tempo cotidiano. Um acontecimento ou “geramento” de relações que se dão em várias instâncias. O ato simples deslocado em constante re-contexto pode ascender à esfera relacional arte\vida\energia\espírito\irmanação; tais ações buscam o alinhamento, a justeza e quando se eclipsam os elementos que nos constituem enquanto potencialidades, tornam-se um constante devir. O risco ao qual talvez pudéssemos nos lançar, A motricidade em detrimento da “fixisolidez”,  um ser humano disponível a descobrir a si.”

Anderson Gomes – Artista Gráfico 


sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

E aqui brotou afeto!"

Ah! O tempo! E na fissura do tempo, na brecha, na luz, nas trevas, no vazio, no cheio – PLANTAMOS.

PLANTAMOS NAS INSIGNIFICÂNCIAS DA CIDADE.
PLANTAMOS NAS INSIGNIFICÂNCIAS DE NOSSOS CORPOS.
PLANTAMOS NA FISSURA DO OUTRO.
PLANTAMOS NA FERIDA.
PLANTAMOS NO TEMPO.
PLANTAMOS NA SOMBRA.
PLANTAMOS NA ÁGUA, NA TERRA, NO AR, NO AMOR.
PLANTAMOS NO DESCASO, NO ÓDIO, NA INDIFERENÇA.
PLANTAMOS NA DISCRIMINAÇÃO?

PLANTAMOS?

quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Depois brotaram lágrimas





                                                                                                                            Fotos: Ívan Taraskevícius